os meus dias têm sido longos

e ainda nem comentei o fim da canção para o “enorme” Charles screaming eagle of soul Bradley!

Big love to Chicago, Birmingham and Louisville…y'all brought the heat! 🔥🌹❤️ pic by @slossfest

A post shared by Charles Bradley (@charlesbradley) on

 

mais do que uma voz marcante, uma força de vontade descoberta tardiamente mas que veio a tempo de cativar uns quantos fãs.

eu era um deles, obrigado charles!

Anúncios

(vii) tonalidades

Radiohead – I Promise (versão do álbum oknotok)

I won’t run away no more, I promise

um de três originais que não foram lançados no álbum ok computer, com uma cadência em crescendo é nos agora dado a conhecer, que nem um cálice de oporto, um vintage que qualquer apreciador teria adorado consumir incessantemente numa cassete em 1997!

(talvez pudesse ter sido um hino na minha adolescência, uma doutrina do acreditar, do não desistir!)

(vi) tonalidades

Beirut – Une Soirée de Poche para a  La Blogothèque

A Sunday smile, we wore it for a while
A Sunday mile we paused and sang

estranhamente os franceses conseguem cantar bem melhor do que falar em inglês…

o video começa propositadamente com um sorriso de domingo (mas toda a sessão vale a pena ser ouvida!).

um sorriso de domingo porque é dia da mãe.

um sorriso de domingo porque está sol e o corre uma brisa fresca pela minha face vinda das janelas abertas.

um sorriso de domingo porque sim!

porque o sorriso é sincero e é a base do amor.

(v) tonalidades

Ray LaMontagne – Crazy (versão do original dos Gnarls Barkley)

procurei por todo o youtube a versão original desta versão do original (não resisti huhuhu) mas não encontrei absolutamente nada…
na verdade encontrei sempre o mesmo áudio e uma ou outra foto diferente.

pequeno problema que facilmente se esquece ao fechar os olhos e deixando-me embalar pela rouquidão contagiante que apazigua as dores da minha alma.

(há vazios que deixam marcas)
(há vazios que não se apagam)

(iv) tonalidades

Pixies – Hey (ao vivo para o Eden Project)

a idade traz cabelos brancos e ao blak francis uns quilos a mais… mas isso não interessa para nada!

escutar a hey é como saborear uma goma ao final da tarde… sabe bem, deixa-me sempre de sorriso e é doce!

linha de baixo simples mas melódica e cativante.

hey!