os meus bailados no centro comercial

desviando-me que nem uma bailarina do bolshoi

fujo dos centros comercias cada vez mais.

o frenesim do consumo desmedido assusta-me e repele-me desses lugares estranhos, mas recentemente o acaso levou-me até a um dos maiores centros em lisboa.

sempre que lá tenho de ir faço por manter o ritmo do passo largo, desviando-me que nem uma bailarina do bolshoi de turistas, aglomerados de catraios com pouco que fazer, gente a andar absorvida no telefone e por aí fora… o ser humano é lindo mas no centro comercial revela-se muitas vezes como uma besta!

porém desta vez o motivo da minha ida ao centro foi a necessidade específica de uma loja e de um caixote para o lixo. 30 litros em forma cilíndrica e tradicional pedal.

com o carro numa ponta do subterrâneo e a loja na outra só me restou ter de atravessar todo o piso térreo do centro de caixote de lixo na mão, mas desta vez sem bailado e passo largo. calmamente, por entre as galerias de lojas finas e gente aperaltada de sacos na mão, desfilei alegremente de caixote do lixo aos braços, sorrindo e desejando poder depositar nele todos os comportamentos que me desviam daquele lugar.

(depressa concluí que os meus 30 litros não chegariam!)