sempre que o vento faz abanar uma janela

eu gosto de fechar os olhos e reclinar a cabeça.

viajo até à minha adolescência. estou deitado no meu quarto e o vento sopra abanando as portas de vidro em cada rajada mais intensa.

coloco a cassete dos nirvana com o unplugged gravado e  fico a ouvir a the man who sold the world enquanto adormeço.

(esta malta nova não sabe mas sofre de desgosto por não saber o que é aquele som arranhado de uma cassete velha!)

às vezes os semáforos funcionam como uns instantes de pausa para a mente…

vaguear.

sozinho no carro, são instantes em suspenso na minha vida. volto atrás, recordo instantes, diálogos, momentos com dor e sorrisos também.

não penso em nada… apenas recordo. esquecer nunca foi solução para nada!

fica verde e a vida volta a arrancar.